SEM TÍTULO – SOPHIA ANDRESEN

Sinto os mortos no frio das violetas
E nesse grande vago que há na lua.

 

A terra fatalmente é um fantasma,
Ela que toda a morte em si embala.

 

Sei que canto à beira de um silêncio,
Sei que bailo em redor da suspensão,
E possuo em redor da impossessão.

 

Sei que passo em redor dos mortos mudos
E sei que trago em mim a minha morte.

 

Mas perdi o meu ser em tantos seres,
Tantas vezes morri a minha vida,
Tantas vezes beijei os meus fantasmas,
Tantas vezes não soube dos meus actos.
Que a morte será simples como ir
Do interior da casa para a rua.

 

* Sophia de Mello Breyner Andresen. Poesia. Lisboa, Editorial Caminho, 2011 [1944].
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s