LEIA GLOBALMENTE, ESCREVA LOCALMENTE

Não é uma questão de ser eclético, mas de desenvolver seu senso de associação.

*

Poesia é o nome que usamos para lidar com aquilo que tememos reconhecer.

*

Clareza na escrita é efeito retórico, não um fato natural.

*

A poética resta como fundamento de toda escrita.

*

Conhecimento demanda poética.

*

Poesia como processo.

*

Em contraste com a racionalidade silogística da escrita expositiva, a poética é situacional, muda com o vento, julga contradições, alimenta-se da inconsistência.

*

É melhor dizer [ao aluno] você não pode desenhar se não ver, mas pode ser ainda melhor dizer você não pode desenhar se não perceber.

*

Havia poesia e poética antes da invenção do alfabeto.

*

Proponho a poética como um domínio de valores que não são nem científicos nem moralistas. Poética é um engajamento ético com relação às contradições mutáveis do cotidiano.

*

Poética é uma atividade, uma resposta inteligente às circunstâncias imediatas. Como tal, ela não pede o último nível de moralidade ou teorização sistemática. Poética é tática, não estratégica. De fato, ela é carente de estratégia, a aversão ao fundamento é o que geralmente faz a poética parecer frágil ou confusa ou inconsistente ou relativista.

*

O que é preciso é uma poética da poética, que é uma defesa da fundamentação ética da poética.

*

Quero uma poética social que seja encarnada, mais do que neutra, que reconheça ativamente a dependência do contexto como um balcão de aparências de objetividade. Poética social, como a que Kenneth Burke chama “crítica sociológica”, iniciando com uma concepção de poema como uma ação a ser lida em relação com seu contexto motivacional, não sua intenção. (…) A poética social reconhece o agenciamento de uma obra de arte – não apenas sua historicidade – quando o agenciamento é reconhecido na resposta da obra a condições particulares.

*

[Mas tudo isso] é só uma questão de prática.

[O título do post, como os demais trechos, foi retirado e traduzido por mim do ensaio “A prática da poética”, de Charles Bernstein, no livro Attack of the difficult poems, cuja capa vai logo a seguir]

Bernstein

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s