TEMPO PRESENTE V

  
Forjo o ferro quente deste tempo com o martelo.
Voam sangue pelo ar e fagulhas pelas unhas.
Forjo à força, e todo o corpo acolhe difícil
o risco desse ofício:
dói a espada do meu peito.
 
Um martelo é um luxo da vida
e se instala entre o corpo e o tempo.
O ouro dos dias nasce desse encontro e pesa
na balança da cabeça, que rola então
                                      vermelha nas searas.
 
No olho desse tempo o martelo secreta silêncio.
E tumulto. E mistério. Longuíssimo.
É quando mulheres encostam os filhos às pernas.
E abrem os olhos terrificados. É quando
os pés pisam as nuvens do estreito caminho.
 
O sublime terror é trabalho do martelo. Só aí
se sabe o músculo e o animal desenhados na solidão
                                                                      do poema.
Só aí se fica à espera do verão
vir nos destruir com sua violência de amor.
Anúncios

2 comentários em “TEMPO PRESENTE V”

  1. Você, como sempre, surpreendente! Gostei da metáfora do martelo,aliás,os versos soam incrivelmente, de fato, somos animais “racionais” assombrados pelo martelo social, instituicional, por final, por cada setor a ocupar nossa conduta disciplinar.

    Grande abraço,mestre!

  2. “A mão na pena, vale a mão no arado…” Arthur Rimbaud

    Saudações Professor!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s