IV

Construo o silêncio de olhos fixos

no que se abisma sob meus pés

                                     o mundo hiante

                                     e sua festa

queimando minhas mãos sem fé

 

                                                       (a dor aguda

                                                       desse mundo

                                                       fere quem o olha

                                                       muito de junto)

 

Por isso fujo para o colo da mulher

que me enlouquece

                                         com suas nuvens

com o fogo de suas flores

desabrochadas

                            pelos meus dedos

 

A maravilha dessas horas

ergue folhas

                                                                       entre eu

                                                                       e o mundo

 

Então luto

pelo luxo

                       desse espaço

que me toma em sua imensidão

que me alcança em meus píncaros

que me alça com violência

                                                                               a esse amor

 

onde pasto meu poema

onde visto a obscuridade

 

Assassino afeito ao crime

meu pulso

                              derrama

                                                          seu sangue

                                                          às portas

                                                          do jardim

 

fazendo soberana minha mão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s