poema saturnino

 
 
 
Sair no vento
e se perder
no chão que vai
além do céu.
 
Os pés que vão
esmagam fortes
seu desespero
de prosseguir.
 
Sabe que não
tem muita escolha
em continuar
ou em parar.
 
A rua é sempre
o impossível
debaixo da
pele que raspa
 
com medo que
seu rosto humano
destrua a golpes
o coração.
 
Por isso a ânsia
de desfazer
o rosto humano
e de abolir
 
o bibelô
na insanidade
do pensamento
de luz e sombra.
 
Por isso a sanha
com que caminha
diariamente
contra si mesmo.
 
A mão pesada
do tempo ainda
prepara a carne
para o futuro
 
que abre a boca
pra devorá-la,
filha fiel
da lei sem fim.
 
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s