NUNCA MAIS

Cada vez mais atento à vocalidade dos poemas escritos (cf. Paul Zumthor), parodio (de novo) Mallarmé: todo poema foi feito para acabar em uma voz. Mesmo quando se afirma a impotência do homem moderno, sua falta, sua perda da presença do corpo e da mítica plenitude – tão exemplarmente simbolizados pela própria escrita na desencantada história moderna -, é na poesia que esse encanto retorna quando a voz é ligada, quando o corpo é atravessado por intensidades, ritornelos sonoros, refrões, ecos, pulsações sanguíneas das veias, ritmos das ondas cerebrais. Daí a potente presença da voz no poema abaixo, cheio de ecos, rimas internas, alternadas, toantes, vocalizações, uma primeira estrofe que parece um refrão ecoando na cabeça, no peito – paradoxalmente lamento e exaltação, por quem sabia das coisas.

 

Nunca mais

Caminharás nos caminhos naturais.

 

Nunca mais te poderás sentir

Invulnerável, real e densa –

Para sempre está perdido

O que mais do que tudo procuraste:

A plenitude de cada presença.

 

E serás sempre o mesmo sonho, a mesma ausência.

[Sophia de Mello Breyner Andresen, Poesia I, 1944]

Anúncios

2 comentários em “NUNCA MAIS”

  1. Tenho aqui dela o “Poemas Escolhdios”, seleção de Vilma Arêas. Leio sempre “Porque”, como pílula-de-vida nestes tempos aéticos. “Porque os outros se compram e se vendem / E os seus gestos dão sempre dividendo. / Porque os outros são hábeis mas tu não. // Porque os outros vão à sombra dos abrigos/ E tu vais de mãos dadas com os perigos. / Porque os outros calculam mas tu não. ” Abr (carlos barbosa)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s