O PROGRESSO EPIGRÁFICO DA POESIA

Penso na poesia como uma forma particular de memória. Diferentemente da prosa, cuja narratividade mais ostensiva tem clara relação com a memória, a memória da poesia se dá por sinais mais oblíquos. Gosto de pensar que a poesia não lembra de nada além da própria poesia, criando assim redes de poetas e poemas de tempos históricos diversos. Não me refiro a poetas que lêem e citam outros poetas e/ou poemas, mas aos que se permitem dialogar com outros, propiciam esse diálogo, quase que nos obrigam a uma aproximação que, se não abole a história, namora com a memória história, memória da poesia.

No caso de Portugal, mar, viagem, desconcerto, sentimento de errância, decadência e mar fazem parte fortemente da memória dessa poesia; um texto servindo de epígrafe para o outro, um texto lendo o outro.

LUIS VAZ DE CAMÕES (APROX. 1570)

Errei todo o discurso de meus anos

e

É tudo quanto sinto um desconcerto

***

CAMILO PESSANHA (1920)

Eu vi a luz num país perdido.

A minha alma é lânguida e inerme.

***

FERNANDO PESSOA (1934)

Tudo é incerto e derradeiro.

Tudo é disperso, nada é inteiro.

***

FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO (1975)

O mar não me confirma a mim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s