RESPOSTA À PERGUNTA “ONDE POESIA E POETAS EM TEMPO DE RUÍNAS?”, COM CRÍTICA AOS USOS DA TRADIÇÃO

Alguns diriam, caro amigo,
o mundo está à mercê
da vileza, que põe a perder
monumentos, belos gestos,
devaneios, eu, você.

O sublime se esgarça, é verdade,
mas a poesia, isso não diriam,
está fechada na mão de quem
nada lucra da vida,
nada vale na guerra,
nada ganha na bolsa,
prêmio nenhum alcança
além da própria mendicância.

Eis que o mundo não muda,
ao contrário dos poetas.
A imagem destes na praça
é de ruína – estátua muda –
à qual todos se furtam,
pois não mais medusa,
e cuja usura está no abuso
da palavra-caco – “tradição”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s