HIPERTEXTOS, HIPERTEMPOS, HIPERMERCADO

Em tempos de hiperviolência, hipercomunicação e hiperprosa, o primeiro verso de Charles Bernstein para o poema “Histórias de Guerra” toma a definição de Clausewitz (“A guerra é a continuação da política por outros meios”) com ecos de McLuhan (“Os meios de comunicação são extensões do homem”) e arremata com singeleza:
A guerra é a extensão da prosa por outros meios.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s