QUATRO NOVOS POEMAS


Édipo e a Esfinge, de Francis Bacon

simultaneamente entramos & subimos
escadas vivas como o ar
que respiramos &
nos enche com sua presença sem peso.
no corredor nos esbarramos & caímos
nas pedras do chão.
encontros assim deixam cicatrizes
que levamos nos ombros & a barba por fazer.

alguns fugiriam da colisão, outros
construiriam uma memória do choque.
escolho o traço, a linha, a cor,
para olhos & mãos inquietas com a beleza.
a vida é sem par & com chaves enfiadas
nas fechaduras das portas.
abertas – no entanto – às partituras do improviso,
aos tropeços & desvios do ritmo.

Cansado de literatura, furto
a mais íntima jóia da escritura:

o sublime instante de gozo & morte,
o luto & a alegria do risco sem mote.

Saudades sem tristeza daquele tempo.
Alegria por tê-lo vivido &, ao mesmo tempo, findo.
Deve ele permanecer só na lembrança. Estátua de gesso
de que cuidava em criança, para não a quebrar com medo
aos meus pés. Eu em seus pés. Mil promessas.
Tudo não passa disso: assim: perfeito tanto quanto pode.
Um verso de ecos apenas para o poema se armar
entre desvãos mal alinhados & linhas indevidas.
Isso inspira pela vida afora. Determina escolhas.
Orienta desejos. Regula dores silenciosas.
Temos o ouro como marca de família. Temos o ouro
tatuado na pele – metal leve – como herança.
Mas o recebemos bruto & com outro nome.
A tarefa de limá-lo solicita à disciplina & à beleza.

Já a deixei, mas nunca a deixo.
É assim que levo Brasília no peito.
As escolhas afetivas que fazemos.
Há professores sempre onde há amigos.

Chegara o abismo. Um modo de decisão.
A realidade é esse tempo enorme,
gozo instantâneo fora de esplanadas,
dentro de sonares, satélites & superquadras.

Ainda não havia Pedro, eletricidade nos cabelos,
nem Irena, brilho nos espelhos
que desde esse tempo, tão presente & remoto,
me invadem com insinuações de morte.

Ainda há o Valdo, assinando outro,
a Marisa e seu afeto maduro.
Ainda há mais no espírito das praças
que levaram meu corpo à alegria presente.

Anúncios

2 comentários em “QUATRO NOVOS POEMAS”

  1. Sandro, que lindo poema, pulsante, cheio de vida, sujo de vida, como se diz. Lindo!Kátia Borges(o google recusou minha identificação)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s