POSTAGEM 30

“A escrever é que se aprende o que somos”. Talvez nunca ninguém tenha sido mais certeiro a respeito do que significa escrever do que Herberto Helder. A imensa limitação da escrita como ato banal de comunicação invalida pr completo o homem como força e o prende a um espaço de mediania e mediocridade. Do outro lado do funcionalismo pedagógico da alfabetização, o realismo da leitura. Rebatimento pela lógica da redundância. Escrever o que já existe e ler o que já é são uma total e completa falta de senso de presente e invenção de futuro. Denúncia: literatura-globo repórter. Aprender o que somos tem a ver com se inventar, não com se revelar. Pois não há nada o que.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s