a avenida não conta o que se esconde nas
grandes pedras atrás do sonho dos motoristas
quase a mergulhar na prata que as águas
exibem extáticas; a avenida abafa as bocas
abertas ao que antes era o futuro além do
deslumbre que solicita às ladeiras uma cidade
que acaba em becos de esquecidos nomes;
a avenida não avança para depois de casarões
suspensos à espera dos que residem nas ruas
de rachaduras feitas com violência e amor e
vulneráveis ao desafio dos afetos ferem o
asfalto derrapante da avenida contorno

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s