TEMPO

É o tempo da mentira

É tempo curvo de matar
a morte

É o tempo exato
de estar exacta e nua

Nua e longa
na distância das fronteiras
do sangue
com cidades cortadas pelo meio

É o tempo grande
de estar cansada
e fria
de estar convosco e ter concessões nos olhos

É o tempo dia
de inventar paisagens
quentes
e ter um carnaval vestido sobre os seios

[Maria Teresa Horta, poeta portuguesa (1936), da antologia publicada ano passado no Brasil, pela Sette Letras, Cem poemas, compilados pela própria, P. 29]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s