AUTO-RE-SIMULAÇÃO

Parei para reler, não resisti e reelaborei bastante o poema o corpo do tempo, que fechava o livro Simulações, de 1998. O texto, ainda em fase de elaboração, vai abaixo.

jovens anos
guardo aqui
outro olhar
nestes versos
fios sem planos
para o filme
feito vida
em que a pele
se tatua
com canções
quando o corpo
é demarcado
só por sons
e silêncios
que recusam
a palavra
quando tudo
cai e quebra

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s