PEDRA DE TOQUE SEISCENTISTA

5
Guarnición tosca de este escollo duro
troncos robustos son, a cuya greña
menos luz debe, menos aire puro
la caverna profunda, que a la peña;
caliginoso lecho, el seno obscuro
ser de la negra noche nos los enseña
infame turba de nocturnas aves,
gimiendo tristes y volando graves.

6
De este, pues, formidable de la tierra
bostezo, el melancólico vacío
a Polifemo, horror de aquella sierra,
bárbara choza es, albergue umbrío
y redil espacioso donde encierra
cuanto las cumbres ásperas cabrío
de los montes, esconde: copia bella
que un silbo junta y un peñasco sella.

A Fábula de Polifemo y Galatea, de Góngora (1561-1627), segundo alguns críticos, emula o episódio do gigante Adamastor, d’Os Lusíadas. Além disso, é um formidável exemplar do que de mais espetacular (alguns disseram e ainda dizem ‘rebuscado’) e mais difícil se escreveu em matéria de poesia. As duas estrofes são a apresentação do cíclope Polifemo, numa aula de hipérbatos, orações intercaladas, ‘mímesis’ sonora (nas vogais fechadas) da ambientação y otras cositas más.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s