MÁSCARAS: SIMULADORES DA VIDA








máscara da indonésia, toba batak

SIMULADOR DE MIM MESMO

Na máscara assumo o mundo
que se mostra
com a sabedoria do riso do palhaço.
Na máscara me encontro & me olho,

me enamoro & me vicio em desvario
& me avizinho do fundo mais turvo
que trago na pele & apalpo
com febre & mania nas mãos.
Na máscara aparo o desejo ácaro da falta

& me encho de tudo que se mostra profundo
à superfície dos olhos molhados em lágrimas sem sal.
Na máscara recolho o que venta,
o que chove,
o que se move & mora nas passarelas
das rodoviárias oniricamente suspensas de Salvador.
Na máscara desmascaro a violência

que nos coage com emprego, chefe, salário
& nos assalta com desemprego, desespero,
desamparo para nossas costas apontados.
Na máscara transmigro pelo Atlântico

& simulo uma tez de feição mais dura,
uma cor mais escura que já trago
à máscara que em mim há desde sempre.
Na máscara reencontro deuses nos usos

mais banais dos rios, arbustos, terrenos
derretidos sob meus pés sagrados de homem.
Na máscara rasgo o luxo & apago a luz

rival dos poetas de rua que vendem
seus corpos nos bares aéreos do Rio Vermelho.
Na máscara mastigo a realidade com a crueza

de quem abriu o frasco & queimou um perfume de fogo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s