COITA IN PROGRESS

Se escrever é cortar palavras, escrever versos é re-cortá-los, rearranjá-los, fazê-los dançar em ritmos diversos. Depois que escrevi Coita, não parei de experimentá-los em outras posições. Eis uma das que mais gostei:

COITA

insisto
submisso no vício
que em meu peito impera
pela figura da fêmea, que com tintas de poder,
sob os nomes beleza e viço,
me reduz sem dó ao pó de estradas; mas
meus brutos anseios, meus mudos músculos de macho,
constrangidos pelos meneios da ars amatoria,
se esforçam e fragilmente se deslocam
na direção da amada, que finge
não me ver,
dona de si, de mim e
da situação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s