EUGÊNIO DE ANDRADE (1925 – 2005)

Eugênio de Andrade, um dos maiores poetas portugueses do século XX, tem uma antologia publicada no Brasil em 1999, pela Nova Fronteira.

O poema abaixo, do segundo livro, As mãos e os frutos, de 1948, é para mim de uma delicadeza e simplicidade esplendorosas. Notem a musicalidade dos versos, o anti-romantismo do primeiro verso e a presença do culto ao corpo, sua animalidade, seu sensorialismo, sensualismo e seu contato com uma natureza em que se funde o próprio ser amado.

Uma aula de celebração da vida.

*****************************

Não canto porque sonho.
Canto porque és real.
Canto o teu olhar maduro,
o teu sorriso puro,
a tua graça animal.

Canto porque sou homem.
Se não cantasse seria
o mesmo bicho sadio
embriagado na alegria
da tua vinha sem vinho.

Canto porque o amor apetece.
Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s