A ARTE DA SIMULAÇÃO

não tendo o que escrever, escrevo para escapar do terrível segredo de escrever o que muitos nem arriscam entrever:

minha sorte lançada para baixo dos pés, ao rés-do-chão, onde nunca alcança qualquer lirismo ou amor próprio.

escrevo para expulsar meu ímpeto desgovernado, sem fluido nos freios, no peito ou memória, pouco a pouco tocando o fundo de um infarto.

[do inédito, Trabalhos do corpo]
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s